segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A memória é intemporal

A memória é intemporal.

Permaneces nos corações de todos os que contigo privaram e permanecerás na memória colectiva marcada pelo rasto de uma existência plena, de dedicação a causas, a maior das quais a Fé e dedicação aos outros. O abraço que deixo, também é intemporal, e não cabe a minha gratidão pelo Pai que foste.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Qual mordaça...

Qual mordaça?
A da injustiça?
Ou da caravana que passa?!
Grita, solta a alma à esperança.
Não esperes que a porta se abra,
Nem sejas só o cão que ladra!
Vai à liça!
Que o futuro está à porta,
e só sorri a quem o abraça.

Qual mordaça?
A da fome?
Ou da riqueza ilícita?!
Grita, pega a enxada e labuta.
Enfrenta quem não merece o que come,
nem o ar que respira!
Vai à luta!
Que a mordaça aqui não tem lugar,
Porque o futuro há-de mudar!

Jaime

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Paco Bandeira Um espectáculo!

video
Vale a pena ouvir, trautear, bater o pézinho... e já agora, pensar no assunto!!!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

O problema do Cartão Único (CU)

Para tratar do CU, quando este apareceu, eram filas e filas de solícitos cidadãos, que rapidamente queriam aderir a esta modernidade de mostrar o CU em todas as circunstâncias em que se mostrava o obsoleto BI. Mostrar o CU era o que estava a dar!

Afinal…Quem tem CU e quis votar, bem que tinha razão para ter medo. Ter CU não significa ter um cartão único pois o cartão de eleitor, afinal, parece ser insubstituível. Felizmente, que nem todos os CU’s deram problemas. Alguns cidadãos mais prevenidos, informaram-se atempadamente do seu número de eleitor, e não tiveram dificuldades em encontrar a sua mesa de voto, onde mediante a apresentação do CU, votaram sem problemas. Não considero que tenha havido uma cabala à custa do CU para adulterar o resultado das eleições. Até porque se todos os que têm CU tivessem votado, certamente os votos seriam repartidos pelos candidatos, mas se o resultado tivesse sido tangencial, estou certo que teríamos uma bronca armada.

Portanto, caros amigos que ainda não trataram do CU. Quando o fizerem, tomem as devidas precauções, utilizem algo que preserve os vossos números de eleitor, para que mais tarde não venham a ter o desgosto de ver o vosso direito de voto recusado. Mas também…terão direito a um pedido de desculpas ministerial… e fica tudo “na boa”!

Foi por tudo isto que acabaram com o CU e introduziram o Cartão de Cidadão (CC). Quem mostrava o CU por tudo e por nada passa agora a mostrar o CC. E assim se resolvem dois problemas: O Cartão já não é único, e pode dar broncas com a falta do número de eleitor, estando portanto desresponsabilizados os responsáveis. Grande pinta! Mas confesso… CC não dá tanto jeito.

domingo, 23 de janeiro de 2011

Socrates e os vendedores de automóveis

Em entrevista no final do ano passado, ao jornal Negócios, Henrique Neto proferiu as seguintes afirmações: "Isto é uma máfia que ganhou experiência na maçonaria". Sócrates "é um vendedor de automóveis" que "está no topo da pirâmide dos que dão cabo disto".


Apesar de já ter decorrido algum tempo desde a publicação desta entrevista, ainda julgo oportuno um pequeno comentário:

Sobre os vendedores de automóveis, classe profissional que me merece o maior respeito, considero insultuosa esta comparação para aquela classe. Aliás, este comentário do Sr. Henrique Neto, não é único, pois há uma certa tendência generalizada de estabelecer paralelismos negativos com aquela profissão, tendência esta que considero injusta e injustificada. Se há profissionais de menor brio, certamente não será só na classe de vendedores de automóveis, então porquê causticar estes com comentários depreciativos?

Henrique Neto excedeu-se na sua crítica, nesta comparação a Sócrates, manchou a dignidade profissional de uma classe. E isso não se faz, Sr. Henrique Neto.

Quanto à outra questão da máfia e da maçonaria. Não vou comentar. É que de máfia, nada sei. De maçonaria, pouco sei. Sei que não são a mesma coisa! E é bom que ninguém fale sobre o que não sabe. Mesmo o Sr. Henrique Neto, cujos créditos de empresário não deixam dúvidas, e capacidade de análise política se tem revelado fatalmente eficaz.

Para causticar os políticos não há necessidade de fazer comparações. Basta chamá-los disso mesmo: Políticos. Já é mau que chegue. Por culpa exclusivamente deles, dos políticos, chegaram a esta triste realidade. (Políticos)

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Justiça, finalmente célere!

Foto RR Edição on line
Justiça, finalmente em véspera de eleições dá um ar de sua graça! Repararam como foi célere a constituição do arguido José Manuel Marques, dirigente do sindicato dos trabalhadores da administração local, que num acto provocatório do normal funcionamento das instituições, resolveu manifestar-se. Por que carga de água? Não é óbvio para todos que é mais que justo que os trabalhadores da administração local, os professores, os médicos e demais funcionários públicos acarretem com uma redução de salários? Porque carga de água se hão-de estar a manifestar, a importunar os senhores presidentes de conselhos gerais, senhores directores de institutos, de SUCH’s, GALP’s, EDP’s e outros que tais? É bem feito para eles, e que sirva de exemplo para outros, a celeridade que a justiça finalmente toma. Viram estes sindicalistas arruaceiros o Sr. Armando Vara manifestar-se, ou o Sr. Oliveira e Costa, ou o Sr. Dias Loureiro, para citar apenas alguns? Viram? Claro que não, porque estes Senhores, são uns Senhores e datas de julgamentos, a haver, ninguém sabe para quando!
O sindicalista, terá realmente de se manifestar para que não lhe sejam retirados direitos que conquistou, fruto de tantas lutas, de tantos sacrifícios de gerações e gerações? É preciso ter arrojo! Por isso, o crime que ontem cometeram já tem o seu julgamento marcado para 31 de Janeiro, num claro exemplo que com a justiça não se brinca! E além disso, quem o manda ir para as fileiras da frente lutar pelos outros, por mim, enquanto escrevo no conforto da minha casa estas linhas. Sim quem o manda?
Desobediência, é a acusação que pende sobre eles! Os outros Senhores que citei acima, foram bem obedientes ( a quem, é que não se sabe bem…) e os crimes que cometeram foram insignificantes… Agora, lutar por direitos, lutar por ter que chegue para o mês completo, lutar pelo sustento da família… isso é ir longe demais… neste país de brandos, mas tão brandos costumes!



domingo, 16 de janeiro de 2011

Perdido ou abandonado?

Ontem apareceu cá em casa este “exemplar”. De imediato o alimentei, dei de beber e acolhi. Divulguei fotos no FB, que foram partilhadas por dezenas de outros utilizadores desta rede social. Estou certo que as fotos foram já vistas por umas centenas largas de pessoas. Até ás 11h da manhã, nenhum contacto. Decidi por isso dar um banho no bicho, escová-lo e devolver-lhe o ar doce que os seus olhos escondidos e amedrontados revelavam.

Imaginei que se o cão fosse nosso e se tivesse perdido, gostaria que quem o encontrasse o tratasse da mesma maneira que o estamos a tratar. Enquanto estou de volta do bicho, imagino se terá nome, se terá tido uma casa onde fosse tratado, ou se desde pequenito foi abandonado e entregue à sua sorte...

Vamos continuar a divulgar fotos, e procurar o dono. Se até Sábado próximo este não aparecer, levaremos o bicho ao veterinário e será abatido! Abatido das estatísticas de cães abandonados. Passará a chamar-se Tintim, e fica cá em casa! Está decidido!

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Parabéns, meu filho!

A 7 de Janeiro de 1998, vivi um dos momentos mais gratificantes da minha vida: assisti ao nascimento do meu filho mais novo!


Passados 13 anos, por razões que não quero agora abordar, resta-me deixar este registo, de parabéns, na esperança que um dia… por longínquo que seja, seja lido pelo seu destinatário!

Parabéns, meu filho!